Processo de Desenvolvimento

Atas das Reuniões

           O processo de desenvolvimento do sistema teve seu início no dia 12 de maio de 2005, terminando em 4 de julho de 2005 com a entrega definitiva do produto.

 

O método escolhido foi o Extreme Programming, ou XP, caracterizado por sua agilidade e alta interação com o cliente. A possibilidade de divisão dos desenvolvedores em grupos com responsabilidades distintas constituiu um importante fator nesta escolha.

 

A primeira fase do projeto, onde todo o grupo participou ativamente, foi a do planejamento. Os papéis de cada desenvolvedor foram definidos no início, assim como os meios de comunicação que seriam usados, uma vez que todos trabalhariam individualmente.

 

            Em seguida, todo o problema a ser resolvido foi analisado, e os dados foram discutidos em busca de um modelo para a solução. Com a primeira reunião com o cliente, onde sua visão mais especifica e correta do problema foi dividida, uma melhor compreensão foi possível. Após esta data, tarefas puderam ser determinadas para os grupos e o processo de implementação teve início.

 

             Um registro de cada reunião, os assuntos nela discutidos e todos os tópicos mencionados fazem parte deste registro. Desta forma, toda a história da interação do grupo com o cliente e de evolução do projeto podem ser acompanhados. Cada arquivo desenvolvido foi incluído em uma página de acompanhamento, junto com os registros das reuniões, para que todos pudessem acessá-los. Então, cada membro do grupo poderia testar e analisar os arquivos desenvolvidos e sugerir modificações, ou até mesmo fazê-las. Todos os bugs descobertos eram indicados nesta página, e cada versão nova do arquivo era documentada de forma a se construir um histórico desde a primeira versão dos arquivos, onde consta cada alteração feita.

 

              Na segunda fase do projeto, reuniões periódicas com o cliente em que uma apresentação provisória do produto era feita, com demonstração de todas as funcionalidades implementadas, fazendo com que o grupo pudesse avaliar as críticas, sugestões e elogios do cliente para planejar o trabalho a ser feito até a próxima reunião. Tarefas eram distribuídas e todo o ciclo se repetia.

 

              Testes eram feitos continuamente sobre cada módulo separadamente, e depois um teste do sistema era conduzido. Os resultados eram analisados por todos os desenvolvedores, o que permitia uma rápida correção de erros, mesmo os erros de integração e em módulos complementares. Nenhum erro deveria estar presente nas versões provisórias de demonstração.

 

              Todo o processo contou com comunicação intensa e envolvimento da equipe, ou um sistema completo não teria sido desenvolvido neste pouco tempo. A divisão das tarefas permitiu que cada um trabalhasse em sua área de proficiência, tornando o processo ainda mais ágil e eficiente.